domingo, janeiro 31, 2010

Resenha: Modesty Blaise - The Gabriel Setup

Embora já tenha lido algumas histórias da Modesty Blaise, não sei exatamente o que me fez comprar este volume na Amazon.


Modesty Blaise foi uma tira diária criada em 1963, que colocava uma personagem feminina marcante (e independente) em aventuras de crime e espionagem. O livro "The Gabriel Setup" reúne as tiras das três primeiras aventuras, acrescidas de comentários do autor (Peter O'Donnell). Uma história curta no final (publicada bem mais recentemente) resume a vida de Modesty antes das aventuras nas tiras.

Modesty Blaise é uma mulher atraente, que aprendeu a sobreviver nos duros anos do fim da segunda guerra mundial. Acabou se estabelecendo como uma criminosa bem sucedida e chefiando uma gangue. Neste época conheceu Willie Garvin, que viria a ser seu braço direito. A relação entre os dois é complexa, apesar da tensão sexual entre os dois eles mantém uma "relação platônica baseada em respeito mútuo e interesses comuns" (traduzindo o texto da Wikipedia que me parece muito apropriado).

Após alguns anos, Modesty e Willie resolvem se aposentar porém não se adaptam bem à vida monôtona. É quando surge Sir Gerald Tarrant, do serviço secreto inglês, e pede a ajuda de Modesty para resolver um caso.

O estilo dos desenhos (feitos por Jim Holdaway) é clássico, com traços precisos. Em algumas cenas temos uma boa quantidade de detalhes no plano de fundo. Apesar da imposição de tiras diárias sempre com três quadros, o ritmo das história é impecável. A figura de Willie Garvin foi baseada em um ator novato que O'Donnell viu na televisão; veja se você consegue identificar na imagem abaixo (clique para ampliar).



As histórias neste volume são:

La Machine

A primeira aventura, que começa com o convite de Sir Gerald. Nas palavras do autor, tinha que ser um caso simples pois tinha muito a ser apresentado. Mesmo com um quantidade grande de diálogos a aventura corre com facilidade e define bem os personagens.

The Long Lever

Um cientista, que fugiu dos comunistas e pediu asilo aos EUA, desaparece durante uma conferência no Rio de Janeiro(!). Sir Gerald pede para Modesty e Willie tentar localizar e resgatar o cientista, entre outros motivos para ganhar pontos junto à CIA.

Uma história com algumas reviravoltas, momentos intensos e crueldades. O fim é inesperado e corajoso para uma série que estava começando.

The Gabriel Setup

A ideia original era criar um vilão recorrente (o Gabriel do título). Ele acabou sendo usado mais duas vezes, mas não mais que isto. Gabriel é o vilão frio que administra inúmero negócios escusos bem sucedidos e bem disfarçados. Um deles é uma clínica no Canadá que extrai informações dos pacientes e as vende ou usa para chantagem.

Embora existam desconfianças, não existem provas. Um momento irônico é quando um oficial da inteligência canadense menciona que acredita que lá tenham sido roubadas informações canadenses - e que também lá tenham sido obtidas informações que os canadenses compraram.

Acho que esta história daria um excelente filme, principalmente a parte final quando um enfurecido Willie, acreditando que Modesty foi morta ou gravemente ferida, invade sozinho um prédio onde estão Gabriel e oito de seus asseclas. A propósito, já foram feitos três filmes baseados na HQ, mas nenhum foi sucesso. Tarantino estaria interessado em fazer uma nova versão (há uma referência a Modesty Blaise em Pulp Fiction).

Concluindo

Estou fisgado, é só uma questão de tempo até eu comprar o volume seguinte. Recomendado.


Para quem não reconheceu, o modelo para Willie Garvin foi Michael Caine.

4 comentários:

Jeronimo disse...

Li algumas estorias da Modesty Blaise há muitos anos atrás, eu era garoto e fiquei fascinado por ela. Gatissima...
Jeronimo
www.blogdoje.com.br

otavio disse...

Modesty Blaise não é SÓ uma personagem de HQ, é uma mudança de paradigma, motivação para repensar ao nadar com seus golfinhos, descobrir os aborígenes australianos ou, em um golpe de mestra, submeter uma dinastia de lutas marciais. A caça revertida em caçadora, o improviso átimo, a porta de um universo que retorna em gestos do Ken Parker, Júlia, Calvin, Lobo Solitário, em diversos matizes, momentos impagáveis além da leitura, imergindo no universo paralelo do ser que nos tornamos após. Comprei o JT durante + de uma década para sentir sua presença em minha vida.
Otávio Machado

Michael Carvalho Silva disse...

Só acompanhei as histórias de Modesty Blaise através das antigas tiras em quadrinhos dela que eram publicadas no Brasil pelo jornal "O Globo" nos anos oitenta ao lado de outros heróis famosos dos quadrinhos como Super-Homem, Fantasma, Flash Gordon e Tarzan. Modesty Blaise é a versão feminina oficial de 007 e um verdadeiro ícone fictício de seu próprio um tempo, um verdadeiro clássico pop.

Michael Carvalho Silva disse...

Só acompanhei as histórias de Modesty Blaise através das antigas tiras em quadrinhos dela que eram publicadas no Brasil pelo jornal "O Globo" nos anos oitenta ao lado de outros heróis famosos dos quadrinhos como Super-Homem, Fantasma, Flash Gordon e Tarzan. Modesty Blaise é a versão feminina oficial de 007 e um verdadeiro ícone fictício de seu próprio um tempo, um verdadeiro clássico pop.