segunda-feira, setembro 17, 2007

PC Assembler: A Odisséia

Como comentei no post anterior, ao escrever o post sobre a minha nova impressora eu tive a idéia de postar o texto do livro PC Assembler. Parecia fácil, mas foi uma verdadeira odisséia!

Procurando a Midia

Eu estava certo de ter uma cópia no HD. Não achei. Bem, com certeza está um dos muitos CDs de backup. Também não. Nos disquetes? Nada.

Hora de enfrentar o pó da última gaveta do armário de roupas, onde escondi algumas lembranças para escapar do lixo. E achei o disco aí ao lado. Alguns vão reconhecer que é um disquete de 5 1/4", mas poucos vão perceber que tem o corte de desproteção contra gravação nos dois lados. Para quem não entende de arqueologia, este é um disquete de Apple ][.
Parenteses: o mundo em geral pode idolatrar o Steve Jobs mas para os engenheiros Steve Wozniac é o cara. Uma das suas maiores criações foi a interface de disco do Apple ][, que permitiu a comercialização da unidade de disco por um preço extremamente baixo para a época (mesmo com a margem imensa colocada pelo Jobs). Embora a unidade seja para disquetes de face simples, o fato dela não usar o furo de índice (o furo pequeno redondo à direita do centro), permitia usar o segundo lado fazendo o corte na lateral e colocando o disco de ponta cabeça.

O Micro

Na época que eu escrevi o livro, meu computador principal era um Unitron apII TI. Alguns anos depois, evoluí para um TK3000//e da Microdigital que corresponde ao Apple //e. Foi este segundo equipamento que fui buscar na casa do meu pai para ler o disquete. Na foto ao lado, ele já foi devidamente limpo (?).

Uma das várias idéias que o Apple ][ popularizou (e a IBM seguiu) foi o uso de slots para placas de expansão. Como pode ser visto na foto ao lado, o meu micro tem uma quantidade grande de placas.

Separada das demais, na esquerda, está a placa "80 colunas" (o default do Apple ][ é apresentar na tela 40 caracteres por linha). No slot 1 a interface para impressora paralela. No slot 4 um clone do Softcard Z80, um dos primeiros hardwares de sucesso da Microsoft (essencial pois o disco está em formato CPM/80). No slot 6 a mencionada interface de disco, Por último, no slot 7, a minha expansão de memória de 128 KBytes (uma extravagância, que eu usava como RamDisk).

Para completar, o meu primeiro monitor: uma TV muito mal adaptada (fiz a adaptação de forma provisória quando cheguei em casa com o Unitron, funcionou e ficou deste jeito até hoje). No lado direito, duas unidades de disco.

Hora de cruzar os dedos, colocar um disco de CP/M e ver o que acontece. Ao lado está o resultado, aquele "A>" lembra alguma coisa?

Exceto por um monte de maus contatos (principalmente no teclado), está tudo funcionando!

Obs.: Para o caso de alguém estar prestando a atenção, a tela está com 40 colunas, devido a um mau-contato na placa "80 colunas". Neste momento a placa Z80 estava no slot 3 (esquecimento meu). Quando a placa "80 colunas" passou a funcionar a Z80 parou. Perdi pelo menos uma hora, até lembrar que a placa Z80 devia ir no slot 4 para não conflitar com a "80 colunas".

Recuperando os Dados

Ok, eu consigo ler os disquetes antigos, e agora? É hora de transferir os dados pela serial. A placa ao lado é uma ICA (Interface de Comunicação Assíncrona), lembrança dos tempos da Humana Informática e dos posts nas BBSs, comunicando a 300 bps ou nos esquisitos 1200/75 bps.

Com a placa no slot 2, é hora de usar o meu programa de comunicação (reparar no copyright na tela ao lado). O programa trabalha no capenga Xmodem Checksum, o que exige um pouco de esforço do Hyperterminal (que insiste em tentar primeiro o Xmodem CRC e só passa para o Checksum depois de um l_o_n_g_o tempo). Após alguns arquivos a paciência acabou e preferí alterar um dos meus inúmeros utilitários de PC para suportar o Xmodem Checksum.

Mas, Espere: Isto Não É Tudo!

Ao final tenho 20 arquivo recebidos no PC (como no CP/M são apenas 56K de Ram, o texto era quebrada em pedaços de no máximo 20K para evitar que o editor ficasse acessando o disco o tempo todo). A tela ao lado mostra (em hexa) o início de um deles (clique para ampliar). Que codificação é essa? Os textos foram gerados com o WordStar, que era um editor WYSIWYG... se você está escrevendo em inglês numa impressora não gráfica. À medida que o texto é editado, o WordStar automaticamente distribui espaços para justificar o texto dentro das margens. Para isto ele usa o bit 7 dos caracteres para marcar o final das palavras e os espaços, hifens e quebras de linha introduzidos. O que realmente estraga tudo é que para gerar as acentuações eu digitava sequências "caracter backspace acento" (felizmente tanto o Unitron como o TK3000 tinham teclados programáveis, o que me permitia digitar estas sequências de uma forma mais automática).

Reparar também no ".he xxxx". A formatação para impressora era um passo separado, as linhas começando com '.' são comandos para definir cabeçalho, rodapé, pular página, etc. Para conseguir obter um TXT com o conteúdo foi preciso fazer um programa para limpar tudo isto.

Lembrando, o resultado final pode ser baixado daqui.

01/08/13: O texto, em formato de eBook pode ser baixado  do SkyDrive através do ícone no alto à direita ("Arquivos do Blog") ou pelos ícones abaixo:



6 comentários:

wmoecke disse...

Nossa!!

Eu invejo essa sua máquina, nunca tinha visto um Apple ][ tão completo. Só falta a placa Votrax (sintetizador de voz, utilizava o CI SC01/02, concorrente do SPO256, conversor Text-To-Speech). Ou então, uma Mockingboard, precursora das SoundBlaster, tbm serviria...

E falando em limpeza do gabinete, vc já tinha lido esse artigo, a respeito? Parece ser muito eficiente, volta o plástico ao seu estado de limpeza original (como fosse tirado da caixa)...

(P.S.: Não quer me vender esse TK??) :-)

Daniel Quadros disse...

Werner,

Além das placas na foto, tenho também uma interface para impressora paralela.

Sim, vi o artigo do Jefferson e está na minha lista fazer um teste. Entretanto, o objetivo da mistura é cancelar o amarelamento do plástico, a sujeira encardida nestas duas décadas .

Alexandre Souza - PU1BZZ disse...

Poxa, infelizmente nao pode mais ser baixado, o arquivo nao está mais la :(

E eu tambem tenho um desses :D

Daniel Quadros disse...

Alexandre, o arquivo está disponível nos "Arquivos do Blog". Aproveitei e corrigi o link no texto do post.

Anônimo disse...

Gostaria de ter o livro PC Assembler, usando o DOS. Tem possibilidade de poder o comprar?
Obrigado,

Raphael O Rezende
softplus@oi.com.br

Daniel Quadros disse...

Raphael, o jeito é procurar nos sebos. Pretendo disponibilizar o texto aqui no blog, mas não tenho nenhuma previsão de quando.